Como funciona o câmbio? (parte 1)

Quando você descobre a magia de viajar para fora do Brasil, uma das primeiras palavras que vem em mente é “câmbio”. E agora? Como fazer? Qual é a melhor forma de converter e a melhor moeda para levar?

Eu já passei por isso e sei bem como é. Então resolvi trazer opções para facilitar sua vida. Vamos lá?

No mundo, as moedas mais aceitas são o Dólar Americano (US$) e o Euro (€). E, para complicar um pouquinho, ainda tem a Libra (£).

Por essa razão, aqui no Brasil, você irá encontrá-las com certa abundância nas casas de câmbio.

Fique atento: No caso do Reino Unido, embora esteja localizado ao centro da Europa, a Libra (£) é a moeda oficial. Nas ex-colônias do Reino Unido, como Hong Kong e diversos países da Ásia, a Libra é, geralmente, a melhor opção.

Mas como chegar a melhor conversão?

Opção 1 – DIY (Faça você mesmo)

Você pode consultar o valor do Dólar Turismo nos sites de informação. Tipo UOL, ou baixar os aplicativos  o Dólar Comercial ou Euro e nos sites XE Currency, Exchange Rates ou Oanda.

Fique atento: Adicione R$0,15 (quinze centavos), em média, para cada Dólar / Euro / Libra e não se esqueça de incluir no seu cálculo, o Imposto sobre operações financeiras, o IOF, que poderá ser de 0,38%, para dinheiro em espécie (papel / moeda) ou de 6,38% para a modalidade “travel card” (cartão Visa, Master ou Amex com a função débito ou pré-pago).

Esse será o preço final a pagar.

Exemplos:

  • Com a cotação do Dólar em 15/04/2017, para cada US$1,00 em espécie, devemos calcular da seguinte maneira: R$3,28 (cotação do Dólar) + R$0,01 (0,38% de IOF, arredondando para cima) = R$ 3,29;
  • Com a cotação do Euro em 15/04/2017, para cada €1,00 em espécie, devemos calcular da seguinte maneira: R$3,50 (cotação do Euro) + R$0,21 (0,38% de IOF, arredondando para cima) = R$ 3,51;
  • Com a cotação do Dólar em 15/04/2017, para cada US$1,00 em cartão, devemos calcular da seguinte maneira: R$3,28 (cotação do Dólar) + R$0,22 (6,38% de IOF, arredondando para cima) = R$ 3,50;
  • Com a cotação do Euro em 15/04/2017, para cada €1,00 em cartão, devemos calcular da seguinte maneira: R$3,50 (cotação do Euro) + R$0,01 (6,38% de IOF, arredondando para cima) = R$ 3,72;

Pronto! Agora, você tem uma noção de quanto vale cada Real seu.

Opção 2 – Casas de câmbio

Faça uma busca na internet e veja qual a cotação média da moeda que deseja nas casas de câmbio. Uma dica de site é o melhorcambio. Nele, a cotação já inclui o preço final, com IOF.

Procure uma casa de câmbio de sua preferência. No Rio de Janeiro e Grande Rio, a DG Câmbio e Turismo geralmente é a melhor opção (Confiável, menor preço, tudo pelo site e com delivery).

Fique atento: Nunca faça câmbio com desconhecidos ou na rua. Além de você correr o risco de adquirir notas falsas, também é crime contra o Sistema Financeiro Nacional (Lei 7492/86).

Uma dica bem legal é sempre levar com você o recibo da casa de câmbio. Pois, se alguma autoridade no Brasil ou no exterior exigir a comprovação da origem do dinheiro, você deverá mostrá-lo.  

Para entrar ou sair do Brasil com mais de R$ 10.000,00 (ou equivalente em moeda estrangeira), a Receita Federal exige o preenchimento, pela internet, de uma Declaração Eletrônica de Bens de Viajantes (e-DBV).

Então, ficou mais fácil entender como fazer câmbio para viajar para os Estados Unidos, Europa e Reino Unido?

Viajando para outros países

E agora? Dólar, Euro, Libra ou o próprio Real? Qual moeda utilizar?

Algumas moedas, seja pela proximidade (Argentina, Uruguai, etc), seja pela importância do país (Austrália, Canadá, Japão, etc) são encontradas nas casas de câmbio do Brasil. Contudo, dificilmente será vantajoso adquiri-las aqui.

Nesse caso, não temos muitas opções. O jeito é buscar na internet sites de casas de câmbio do país onde for viajar (uma excelente dica para os principais países do mundo é o travelex) e fazer as contas:

Exemplo:

(Viagem para Austrália)

Moeda Local: Dólar Australiano (AUD)

R$ 1,00 =  AUD 0,421

R$1,00 = US$ 0,31

R$1,00 = € 0,29

R$ 1,00 = £0,25

US$ 1,00 =  AUD 1,37 

€ 1,00 = AUD 1,49

£1,00 = AUD 1,78

R$ 1,00 = AUD 0,421

R$1,00 = US$ 0,317 x AUD 1,37 = AUD 0,434

R$1,00 = € 0,297  x AUD 1,49= AUD 0,442

R$1,00 = £0,248 x AUD 1,78 = AUD 0,441

Já vimos que você não vai achar Dólar Australiano aqui no Brasil com uma boa cotação e dificilmente será vantajoso trocá-los no destino, pois o Real não é uma moeda forte por lá.

Então, com os cálculos feitos, observamos que o mais vantajoso é levar Euro, isso se você for pra lá sem escalas ou fizer escalas na Europa.

E em todo país que você pretender ir, você deverá fazer esses cálculos!

E na América do Sul?

Os únicos lugares onde a nossa moeda é extremamente bem aceita são a Argentina e o Uruguai, nossos vizinhos mais próximos. Nas capitais Buenos Aires e Montevidéu (e outras cidades grandes), algumas lojas, restaurantes, pedágios aceitam pagamentos em Real com uma cotação até interessante.

O custo x benefício faz valer a pena pelos seguintes motivos:

Como a Argentina e Uruguai fazem fronteira com o Brasil, o fluxo de viajantes a turismo ou negócios é muito alto. Por isso, há grande disponibilidade de nossa moeda por lá. E, como a economia do Brasil é mais forte, o Real se torna mais aceito nesses dois países.

Fique atento: Não se confunda. Embora o Real seja uma moeda forte, não espere poder transitar pela América do Sul somente utilizando essa moeda. Hábito que muitos viajantes desenvolveram, ao transitar com o Dólar Americano, por exemplo. Apesar de ser um pouco mais valorizado, sempre faça as contas para ter a certeza se é melhor levar Real, Dólar ou Euro!

UFA! Agora que entendemos como as moedas e cotações funcionam, precisamos saber se vale mais a pena transitar com dinheiro em espécie ou utilizar cartões. E falaremos sobre isso no próximo post.

E, pra você que prefere curtir a sua viagem, ao invés de gastar horas calculando moedas, a VMVS possui um pacote ideal para as suas necessidades!
Fale conosco e confira!

Até mais!

Lugares no Brasil para viajar barato

Viajar gastando pouco ou pagar preços justos, não é difícil hoje em dia.

E, hoje, daremos alguns exemplos de lugares no Brasil para viajar barato!

Vitória e Vila Velha (Espírito Santo)

Uma das capitais menos badaladas do litoral. Junto com Aracaju, Vitória é uma agradável surpresa.

Assim como sua vizinha Vila Velha,  podemos dizer que é o Rio de Janeiro em tamanho reduzido. Com bons preços, bons restaurantes e uma paisagem incrível.

Apesar da praia de Vitória não ser própria para banho, você pode aproveitar e percorrer todo o restante do litoral em uma faixa de 100 quilômetros, curtindo paisagens que vão deixar sua viagem muito agradável.

Em direção ao nordeste, você pode curtir, ainda, as cidades de Serra, Linhares e Aracruz. Até chegar na magnífica e sensacional Conceição da Barra (onde ficam Itaúnas e Riacho Doce), próximo à divisa com a Bahia.  

De alimentação simples, baseada nos frutos do mar, não deixe de saborear a moqueca capixaba, você vai adorar.

Aracaju (Sergipe)

Aracaju, podemos dizer, é o primo “mais simples” do Nordeste. Que, quem não a conhece, não sabe o que está perdendo.

Só o fato de não ter aquela imensa badalação, já atrai muitos turistas que querem sossego.

Com o litoral relativamente curto, Aracaju vai oferecer uma qualidade e variedade gastronômica nordestina a preços muito convidativos.

Além de Aracaju, você pode visitar as cidades históricas de São Cristóvão e Laranjeiras. Parte do litoral pouco explorado e bem mais tranquila.

Um passeio que vale a pena fazer é até Canindé de São Francisco. Para conhecer desfiladeiro (Canyon) do Xingó. Lugar pouco conhecido pelos Brasileiros. A cidade por onde Lampião e Maria Bonita fizeram história vai te surpreender.

Curitiba (Paraná)

A belíssima Curitiba pode intimidar um pouco os desavisados. Pelos ares pomposos e o seu  “quê” de Europa.

Curitiba possui na gastronomia o seu ponto forte.

As paisagens são quase todas ao ar livre. Fazendo com que o visitante gaste muito pouco com ingressos.

O passeio de trem até Morretes é, simplesmente, incrível. E vale muito o preço.

Se o tempo estiver bom e você quiser arriscar pegar uma praia, vale a pena visitar o litoral Paranaense. Nesse quesito, a Ilha do Mel é um incrível pedacinho do Paraíso, no sul do Brasil.

Manaus (Amazonas)

O coração da Amazônia não vai fazer você gastar muito dinheiro.

A cidade é simples, mas de arquitetura indescritível. Fazendo com que os passeios ao ar livre sejam grátis.

No passeio mais caro, você verá que vale gastar cada centavo para ver o encontro das águas, visitar as comunidades indígenas ribeirinhas e se encantar com a vegetação Amazônica.

Vale a pena investir um pouco na gastronomia do Norte do Brasil, também. O pirarucu, peixe típico da região, vai fazer com que você se sinta no céu. E o preço? Quase de graça.

Aproveite o calor para saborear os sorvetes de frutas que você só nessa região do Brasil.

São Paulo

Apesar de ser a grande metrópole Brasileira, São Paulo tem valores para todos os gostos.

A grande quantidade de possibilidades de hospedagem e imensa rede de bares, restaurantes e lanchonetes, faz com que todos possam se adaptar às delícias da terra da garoa.

Desde pontos turísticos que contam a história do Brasil até o Parque do Ibirapuera, os programas em São Paulo não deixam a desejar e tem um custo relativamente baixo.

Recife (Pernambuco)

Terra do frevo e, também, terra de muita diversão barata, lugares históricos e muitos museus grátis. Recife tem em suas ruas e canais os melhores passeios.

Apesar de Boa Viagem ter o perigo dos tubarões, logo ali, pertinho, temos as praias de Piedade, Carneiros, Tamandaré, Porto de Galinhas, e outras mais.

É um litoral que vai deixar você sem fôlego.

Se quiser curtir mais a parte histórica, Olinda e suas ladeiras encantadoras são perfeitas.

A capital Pernambucana e seus arredores vão deixar você com água na boca. Os frutos do mar são deliciosos, bonitos e especialmente baratos.

Salvador e Praia do Forte (Bahia)

Foto por Eduardo Moody

Salvador. A terra da alegria, da festa e do Axé.

De estrutura eficaz, essa cidade Brasileira encanta por sua comida, seus temperos e a magia das belas praias.

Os  passeios históricos pelo Pelourinho fazem com que sua viagem se torne bem barata.

Muito além disso, a 50KM do aeroporto e a 65KM da cidade (uma horinha de viagem), você encontra um paraíso que se chama “Praia do Forte”. Que é uma vila. Onde temos uma praia

paradisíaca.

O Projeto Tamar custa baratinho.

Um centro muito agradável. Um local histórico e magnífico.

O Castelo de Garcia D’avila. Com toda infraestrutura, desde pousadas de luxo até pousadas bem simples, é um lugar incrível. E bem próximo da capital. Que não vai doer no seu bolso.

Cabo Frio e Arraial do Cabo (Rio de Janeiro)

Dupla imbatível na região dos lagos do Rio de Janeiro!

As belas praias e cenários paradisíacos fazem valer muito a pena se hospedar por lá. E, o melhor, todo esse cenário é grátis!

Se você vem do Rio e São Paulo, prepare-se para curtir ao menos um final semana em cada uma delas. Se você vier de longe, uns 4 ou 5 dias serão perfeitos para aproveitar o máximo dessa dupla.

 

Caso queira mais sugestões sobre locais para desfrutar no Brasil, fale conosco. Com certeza, temos as indicações e referências que irão atender o seu gosto!

Fiquem ligados! Futuramente, falaremos sobre lugares da Europa para viajar a preço justo.

Você não precisa ser rico para viajar!

Olá viajantes!

A palavra “viajar” frequentemente está na “lista negra” do imaginário popular.

Porém, com a crescente evolução da nossa economia e amadurecimento da forma como gastamos nosso dinheiro, percebemos que  é possível, sim, viajar. E que isso não é um privilégio exclusivo para pessoas com renda alta.

A partir de agora, vamos relacionar os 6 pontos que mexem literalmente com o seu bolso e mostrar que viajar de forma confortável e econômica é completamente possível.

Passagem

Quanto menor a distância, mais barato é o trecho. Isso é um fato. A dica é se programar, pois boas promoções aparecem a todo momento.

Geralmente, essas promoções aparecem em datas menos concorridas ou fora da alta temporada (longe das férias de fim de ano, por exemplo).

Dê preferência para viajar entre março e junho ou entre agosto e novembro. Finais de semana (Sex/Dom) quase sempre é mais caro.

Tente ser flexível nas datas. Um dia a mais ou a menos nas viagens pode fazer o preço das passagens mudar consideravelmente. E não é raro você ter a oportunidade de permanecer no destino por mais tempo e pagando menos nas passagens, só por ter escolhido embarcar em uma Quinta-Feira e retornar em uma Terça-Feira.

Seguro

Se você não possui plano de saúde nacional, tome cuidado.

Em uma viagem, o seguro não chega a 5% do valor total da viagem. É muito pouco para o risco que você vai correr. Fica a dica.

Em nosso post sobre o Seguro Viagem, você encontrará tudo o que precisa saber sobre esse serviço. Clique aqui para saber mais.

Hospedagem

Hoje em dia, temos hospedagens para todos os gostos. Com café, sem café, com banheiro coletivo (compartilhado) ou suíte master. Você pode dividir um quarto nos hostels, alugar um quarto só pra você, um apartamento inteiro, desfrutar do ambiente mais familiar de uma pousada ou mais profissional de um hotel. Você só não pode deixar de viajar por ter colocado a culpa na hospedagem.

Além disso, você não precisa se preocupar em adquirir uma hospedagem cinco estrelas. Muitos hotéis três estrelas possuem preços bem acessíveis.

Você mal passará 20% da sua viagem dentro da  hospedagem, de qualquer forma. Então, optar por uma hospedagem mais simples não é uma má ideia.

Alguns sites, tem até hospedagem grátis (desde que você participe de uma comunidade) ou até mesmo em troca de serviços como cozinhar, cuidar dos animais da casa, cuidar da horta, etc.

Faça a sua escolha!

Ingressos / Atividades / Passeios

A maioria dos lugares do mundo são históricos, praias, rios ou parques. Reparou na dica?

Tudo isso é e sempre será de graça.

Para economizar bastante, procure viajar para lugares assim.

Os passeios ao ar livre são os melhores, pois são mais saudáveis, mais agradáveis e não doem no bolso.

E aquela atração imperdível mas que é paga? Como eu faço?

Uma forma de acessar os ingressos pagos, é comprar com alguma antecedência pela internet (ou através da VMVS). Geralmente, a compra online gera algum desconto, mesmo comprando com cartão de crédito.

E se realmente eu não puder pagar?

Tente sempre olhar por outro ângulo. Sua viagem não vai ser uma decepção se você não subir na Torre Eiffel, por exemplo. Eu mesmo fui lá e não subi. Mas cheguei pertinho, vi as luzes se acenderem e tirei fotos sensacionais. Sabe o que ficou? A felicidade estampada no rosto e a alegria de curtir o momento.

Não se deixe levar pela opinião das pessoas. A sua viagem deverá ser perfeita somente para você.

Cada pessoa tem uma visão diferente do mundo e, o que pode ser imperdível para outros, não necessariamente será imperdível para você.

Locomoção no local

Mais um item que possui diversas alternativas.

Temos o básico que é o transporte público, e que, em muitas cidades do mundo (inclusive do próprio Brasil), você se locomove a um custo bem baixo.

Além disso, temos os transfers, taxis, aluguel de carros e, hoje em dia, aplicativos de transporte que estão espalhados por aí.

A dica é: Fique atento ao reservar o local de sua hospedagem. Às vezes é melhor pagar um pouco mais caro na hospedagem e economizar muito no gasto com locomoção, pois estando perto das atrações, você poderá fazer inúmeras atividades a pé.

Alimentação

Restaurantes renomados? Sim, seria maravilhoso poder desfrutar. Mas nem sempre será assim. Porém isso não tornará sua viagem menos agradável.

Procure experimentar os pratos típicos locais. Comumente a comida típica do lugar é mais barata.

No Brasil, isso é um fato. Os frutos do mar são bem baratos no nordeste. Os peixes de água doce no Norte. Carnes são bem em conta no Sul.

Fica a dica: Os restaurantes utilizados pelo povo local quase sempre são mais em conta que restaurantes focados nos turistas.

E, se a grana estiver curta, bons lanches vão suprir sua necessidade.

Já fora do Brasil, o modo de alimentação é bem diferente. Em alguns lugares da Europa e EUA, os lanches são os preferidos. Por quê? Porquê esses países não são grandes produtores de carnes e alimentos naturais em geral. E a importação faz o custo da refeição “caseira” ficar bem alto.

Aí entram os fast foods. O que custa um pouco caro pra gente aqui no Brasil, em muitos lugares do mundo sai a preço de banana.

E aquele self-service (comida a quilo) baratinho? Praticamente não existe fora do Brasil.

O melhor que você vai achar é o estilo bandejão, onde você escolhe uma carne, e dois ou três acompanhamentos, bebida, sobremesa e fim.

Esse é o estilo mais barato de refeição que você poderá encontrar, mas, mesmo assim, o preço em nada tem a ver com o Brasil.

Bom, seguindo algumas dessas dicas e principalmente se planejando e poupando com antecedência tenho certeza de que você conseguirá realizar seu sonho e se tornar o mais novo integrante da população turista!

Agora, se você não quiser ter esse trabalhão de pesquisa e comparação de preços, fale conosco. Nossa consultoria é focada em fazer a sua viagem por um preço justo!

 

O que é Seguro / Assistência Viagem?

Olá viajantes! 

Anteriormente, falamos sobre a documentação necessária para viajar.

Hoje, vamos detalhar melhor um assunto que faz parte dessa documentação, mas que, muitas vezes, o viajante não dá atenção ou nunca ouviu falar ou, pior, não leva muito a sério: O Seguro Viagem. Leia mais

Quais documentos preciso para viajar?

Olá viajantes! Hoje falaremos sobre os documentos necessários para uma viagem.

Nesse momento, surgem muitas dúvidas como:

  • O que eu preciso levar de documentação?
  • Preciso levar tudo impresso?
  • Levo tudo no celular?

Documento pessoal necessário para o embarque

Para viagens Nacionais, qualquer tipo de documento de identificação oficial (e com foto) servirá. O documento precisa ser válido (aceito) em todo o território Nacional. Como, por exemplo, CNH, RG, Carteira de Trabalho e Identificação de Servidor Público. A validade do mesmo não importa, contanto que esteja em bom estado de conservação e que seja possível te identificar visualmente.

Para viagens Internacionais dentro do Mercosul, você pode usar o passaporte ou RG (expedido pela Secretaria de Segurança Pública do seu estado). O documento precisa ter sido emitido há no máximo dez anos, estar em bom estado de conservação e, obrigatoriamente, que seja possível te identificar visualmente.

OBS.: Sendo Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, os países participantes do tratado. Na época da criação deste texto, a Venezuela encontrava-se suspensa.

 

Para viagens Internacionais FORA do Mercosul, somente o passaporte serve como  documento oficial válido. Então, mantenha-o sempre por perto. Ele precisa sempre estar em bom estado de conservação, também. E, lembre-se, o passaporte possui validade de dez anos.

Mas como obter um passaporte Brasileiro?

Entre no site da Polícia Federal ( http://www.pf.gov.br/servicos-pf/passaporte ), preencha os dados da requisição e, ao final, emita a guia de pagamento.

Geralmente, no dia seguinte ao pagamento, o sistema já identifica o pagamento. E, no mesmo momento que você emite a guia, pode agendar a emissão do seu passaporte em um dos locais que o site disponibiliza, também.

Compareça ao local na data e horário agendados. Com os documentos que o site lista (somente originais serão aceitos – então, nada de cópias, mesmo que autenticadas).

Durante a sessão agendada, você irá tirar a foto que irá no passaporte, preencher seus dados e receber o protocolo de emissão com a data em que ficará pronto.

Vá com um visual mais simples possível. Pois, quanto mais fácil te identificar na foto, mais rápido você tramitará pelos embarques e desembarques.

Com os documentos de Identificação em mãos, podemos embarcar.

Preciso de outros documentos (em viagens Internacionais)?

Alguns países solicitam que você apresente documentos que possam dizer o local no qual você ficará acomodado, a passagem de volta e que mostre uma quantidade mínima de dinheiro que comprove que você possa se manter durante o período de sua viagem (você pode ser chamado a mostrar o dinheiro que traz em espécie e cartões de crédito).

Fique atento! Em alguns lugares, quando for fazer a comprovação da passagem de volta, os dados da compra serão conferidos com o cartão de crédito utilizado. Então, sempre leve com você o cartão utilizado para comprar as suas passagens.

Obs.: Não recomendamos a utilização de cartões de terceiros (amigos, familiares, etc).

Outros dois documentos que podem ser solicitados são o seguro viagem (falaremos sobre no próximo post)  e o cartão de vacinação internacional.

O certificado internacional de vacinação pode ser obtido facilmente nos postos da Anvisa.

O processo é simples, embora exija um pouco de deslocamento. Iremos te ajudar.

Entre na página do serviço no site da Anvisa ( http://portal.anvisa.gov.br/sispafra ) e preencha a requisição.

Após o preenchimento da requisição, você deverá comparecer a um dos postos de atendimento ( http://portal.anvisa.gov.br/centros-de-orientacao-do-viajante ), para finalizar toda a operação.

Essa etapa deverá ser feita antes da sua viagem. Se deixar para fazer no dia do embarque, você terá problemas!

Documentação, seguro e vacinação! Falta algo?

AS PASSAGENS!

Hoje em dia, quase todo mundo usa aplicativos para fazer o seu check-in e emitir o seu cartão de embarque sem a necessidade de imprimir (basta mostrar a imagem na tela).

Contudo, recomendamos que isso seja feito apenas nas viagens Nacionais. Lembre-se, também, de estar com o seu celular carregado e com internet funcionando, para evitar imprevistos em cima da hora.

Nas viagens Internacionais, mesmo que faça o check-in online, o recomendado é que se chegue ao aeroporto de 2 a 3 horas antes do voo, para que todo o processo de emissão do bilhete seja feito no balcão da empresa enquanto você despacha (envia) sua bagagem.

E, fique atento, o check-in online é, apenas, uma forma prática de  dizer à companhia aérea que você está a caminho ou que já chegou ao aeroporto. Isso ajuda a garantir o seu lugar no avião. Ajudando a prevenir que você tenha aborrecimentos por conta de overbooking.

O overbooking acontece quando a companhia aérea vende mais passagens do que assentos e, por um acaso, todos os passageiros comparecem. Isso é feito (e permitido pela ANAC) porque, em média, 10% das pessoas não comparecem ao embarque. E, pelo espaço aéreo ser limitado (pelo incrível que isso soe), é sempre importante enviar o avião com o máximo de passageiros possível.

Agora que você sabe a tremenda papelada que é necessária para viajar, pode relaxar. Pois a VMVS sempre cuida de todos esses assuntos para os viajantes.

Afinal, a viagem é para relaxar, não para estressar.

Nos vemos no próximo post!

Planejamento de viagens? Preciso me preocupar com isso?

Já ouviu falar sobre “planejamento de viagens”?

Todo mundo gosta quando a palavra “promoção” aparece. Para algumas pessoas, essa simples palavra faz os olhos brilharem. É irresistível. E é aí que entra o planejamento de viagens.

Uma viagem não é um simples produto pronto, como por exemplo, um suco ou um sanduíche que você vai consumir naquele momento e que, se não gostar ou se pagar caro, não irá fazer muita diferença.

Uma viagem, custa tempo e dinheiro. Muito mais tempo do que dinheiro, na verdade. Uma viagem custa o preço do seu sonho.

Você sabia que o turista médio chega a gastar até 40% a mais do que o necessário, em uma viagem?

Para que você não caia numa falsa “promoção” e nem compre sua viagem por impulso vamos a partir de agora te mostrar como esse mundo funciona.

Usualmente, o viajante busca lojas de viagens e escritórios de agências para realizar suas viagens, visto que, um rápido passeio pelo shopping pode resultar em o turista se deparar com uma promoção irresistível, colada na frente de uma loja, por exemplo.

Porém, lojas e agências físicas possuem diversos custos extras que, obviamente, irão impactar o preço final do pacote a ser adquirido. Esses custos podem variar entre loja, funcionários, contratos fixos com empresas aéreas e hotéis, etc.

Existem outras formas de montar a sua viagem. Como, por exemplo, acessando sites de vendas de passagens e acomodações diretamente, que no mercado, chamamos de OTA (Online Travel Agencies).  Quando você monta uma viagem online, você tem acesso a uma faixa de opções muito melhores, quando falamos de preços. Ao comprar pela internet, as passagens, por exemplo, podem ser até 50% mais baratas. Com isso, você consegue economizar no deslocamento e, posteriormente, possuir uma reserva maior para aproveitar atrações e roteiros.

Outro benefício de se montar sua viagem online é que você tem um controle melhor sobre a agenda. Com isso, você pode se programar para escolher o melhor horário dos voos e com isso sair de casa em um horário de menor trânsito ou fazer checkout (saída do hotel) no momento em que estiver melhor descansado.

Não gosta de guia de turismo? Prefere restaurantes veganos? Sem problemas! Você terá muito mais controle sobre o seu “pacote” do que em uma agência física.

Porém, independentemente de onde a viagem será adquirida, você deverá ficar atento aos pequenos detalhes. Assim como um pacote “físico” pode estipular horários e taxas para determinadas ações, as ofertas “online”, embora possuam um preço muito mais convidativo, também possuem suas condições especiais.

Para dar uma pequena ajuda, aqui vai uma lista modesta de itens que deverão ser revisados com muita atenção, antes de confirmar qualquer pagamento. E que serve tanto para o ambiente “físico” quanto para o “online”:

  1. Verifique se as passagens possuem limites de bagagens.
  2. Verifique se as passagens oferecidas ou a hospedagem são bem avaliadas e estão dentro do perfil desejado. Cuidado com as comparações.
  3. Verifique se os horários de entrada e saída do hotel não irão entrar em conflitos com os horários das suas passagens. Geralmente, é ideal que haja, ao menos, uma hora inteira de intervalo entre “sair do avião” e “entrar no hotel”. Se você chegar cedo, não se preocupe, muito hotéis estão preparados para isso.
  4. Se você tem datas e horários flexíveis, fique atento a isso. A mudança de um ou dois dias pode mudar muito os preços praticados.
  5. Fique atento ao que não está no pacote. Itens muito importantes podem arruinar sua viagem. São eles, a documentação e seguro viagem.
  6. Leia as condições de compra de tudo. Pois não é incomum contratos promocionais possuírem pegadinhas.

Porém, mesmo seguindo as dicas acima, alguns viajantes ainda acabam por não realizar seus sonhos, seja porque não tem intimidade com comprar na internet, seja porque gostam de ter o suporte de um agente de viagens “humano” durante o processo, mas não estão confortáveis com os preços praticados por agências “físicas”.

No Brasil, ainda há muito preconceito com o agente de viagens. Embora não seja exatamente o que ocorre usualmente, ele definitivamente não deve ser um vendedor. Sua função é prestar toda informação e detalhar de forma personalizada todas as suas dúvidas.

O dinheiro que ele vai ganhar vai compensar toda a economia que ele vai te proporcionar. Essa é a missão do agente de viagens. Contudo, como o mercado é agressivo, muitos locais acabam por se perder nessa missão e focam apenas na venda, nos números, não se preocupando com as características individuais dos clientes. Com isso, surgem os pacotes, que muitas vezes podem ser pacotes de problemas.

Outro fato bastante comum é achar que, por você estar fazendo tudo sozinho e online, vai pagar menos.

É nesse momento que a VMVS entra em sua vida! Para te mostrar que você pode economizar, sem ter de investir todo o seu tempo pesquisando cada mínimo detalhe da sua viagem!

Aqui na VMVS, nós resolvemos seu dilema da melhor forma: Nós eliminamos os custos fixos que uma agência “física” possui. Isso nos possibilita oferecer sempre os itens da sua viagem a preço de custo. Além disso, mantermos o “contato humano”, que é o fator decisivo para muitos viajantes. Dispensamos qualquer característica de vendedor. Trataremos você com o cuidado e atenção que merece. Tudo de forma personalizada.

Dessa forma, é possível ter o melhor dos dois mundos.

Nós iremos montar a sua viagem com você. Sanando dúvidas, dando dicas sobre o roteiro, resolvendo a locomoção, etc. Sem explodir seu orçamento.

Ao contrário de agências “físicas”, nós não trabalhamos com pacotes fechados (e caros). Nós iremos trabalhar com você para conseguirmos alcançar o melhor resultado entre o seu orçamento e o conforto que você merece.

Nossa missão é evitar que você, quando terminar a sua viagem, fique com a sensação de que poderia ter feito mais, em menos tempo e ter gasto bem menos.

E sabe como vamos te mostrar na prática tudo o que foi descrito acima?

Porque a experiência acumulada em mais de 10 anos de viagens é fator primordial. Nossa expertise in loco” vai trazer para você informações detalhadas de diversos lugares que já estivemos e inúmeras experiências que já passamos.

Como fazer o melhor câmbio para viajar?

Quando você descobre a magia de viajar para fora do Brasil, uma das primeiras palavras que vem em mente é a palavra câmbio. E agora? Como fazer? Qual é a melhor forma, a melhor moeda para levar? Aprenda  COMO FAZER O MELHOR CÂMBIO PARA VIAJAR EM APENAS TRÊS PASSOS. Leia mais